O e-mail voltou a ser sexy

A tecnologia de décadas ficou estagnada por muitos anos – até que a pandemia de coronavírus levou as empresas iniciantes a experimentarem coisas novas.

Todos nós sabemos que o e-mail é onde seu trabalho acontece. Mas, devido ao papel da caixa de entrada como o centro de sua vida profissional, o e-mail não conseguiu se tornar uma ferramenta de comunicação mais eficaz – até 2020, quando veio a pandemia.

Parte da razão pela qual o e-mail estagnou é que é uma das tecnologias digitais mais antigas ainda sendo usada diariamente. O primeiro “e-mail” foi enviado em 29 de outubro de 1969, e ainda estamos enviando em 2021. Algumas das tecnologias subjacentes certamente evoluíram desde o primeiro e-mail, mas a maioria dos protocolos usados ​​são do século anterior. O SMTP (envio de e-mail) foi criado em 1982. O IMAP (download de e-mail) foi criado em 1986. Se você pensar em tudo que mudou com a tecnologia desde os anos 1980, é desconcertante pensar que ainda dependemos tanto de protocolos tão antigos.

Como o e-mail se baseia em padrões abertos, ele permaneceu descentralizado. Ao contrário de muitos outros tipos de tecnologia hoje em dia, isso significa que nenhuma empresa pode ser proprietária e controlá-la. Qualquer pessoa pode abrir uma empresa que forneça um serviço de e-mail, e eles serão compatíveis com todas as outras plataformas de e-mail do mercado. Se o e-mail fosse construído em um sistema fechado, provavelmente seria controlado por um punhado de grandes empresas de tecnologia – assim como alguns dos novos modos de comunicação.

Mas há uma desvantagem na natureza aberta do e-mail. Nas últimas duas décadas, o e-mail não recebeu muita atenção ou investimento financeiro. Durante o início dos anos 2000, a inovação mais significativa foi o Google oferecendo um gigabyte de armazenamento. Desde então, qual foi a última inovação considerável que vimos no e-mail? Se você não consegue pensar em nada, é porque não tem havido muito. É porque, embora qualquer pessoa possa iniciar um serviço de e-mail, a Big Tech – principalmente Google, Microsoft e Apple – ainda controla a grande maioria das contas de e-mail ativas.

Uma vez que cada dispositivo incluía uma conta de e-mail “boa o suficiente”, e contas de e-mail eram distribuídas como doces no Halloween, não havia muito mercado para alguém apresentar uma solução empolgante (e paga). Aplicativos como Mailbox e Sparrow ofereciam alguns novos truques de IU, mas não tinham modelos de negócios viáveis ​​e não conseguiam convencer muitas pessoas a pagar por uma assinatura de aplicativo. Havia pouco incentivo para inovar.

Além disso, a natureza aberta do email tornou-se um paradoxo, onde é quase impossível modernizá-lo sem que praticamente todos os provedores de email concordem com a mudança. Esse impasse levou ao desenvolvimento de uma série de novos serviços projetados para agilizar as comunicações. As empresas precisavam de novas soluções, então criaram as suas próprias. Durante a ascensão da economia dos aplicativos, serviços como o WhatsApp foram projetados para eliminar as taxas de SMS para o envio de mensagens curtas. Slack e Microsoft Teams foram criados para ajudar a resolver intermináveis ​​threads de email. Embora todos esses novos serviços sejam divertidos e empolgantes, eles são todos construídos em plataformas fechadas.

Certamente há um lugar para mensagens, mas o e-mail ainda é o portfólio de comunicação centralizado para muitas coisas que acontecem em nosso trabalho e em nossa vida pessoal. Quando quiser entrar em contato com um novo cliente, você usará o e-mail. Quando precisar arquivar suas despesas de final de mês, você encontrará esses recibos em seu e-mail. O e-mail ainda é o ponto focal para conter nossas memórias e pegadas digitais; e para a maioria de nossas comunicações de saída entre organizações.

No entanto, em 2020, todos nós caímos em uma queda livre, graças a uma pandemia global. Nós nos tornamos cada vez mais dependentes da tecnologia para manter nossas organizações e nosso trabalho avançando. Por mais que as pessoas tenham tentado fugir do e-mail, perceberam que ainda é a forma mais eficiente de se comunicar. As pessoas perceberam que ainda precisam e usam o e-mail diariamente, mesmo com novas ferramentas como Microsoft Teams e Slack, especialmente porque empresas inteiras fizeram a transição para o trabalho remoto. E se eles ainda vão precisar de e-mail, todas essas ferramentas baseadas em bate-papo são apenas mais uma caixa de entrada para verificar e gerenciar. Isso criou uma sobrecarga de mensagens. Acabamos com mais plataformas ou aplicativos para gerenciar, mais distrações e mais tempo desperdiçado perseguindo bits de informações e tarefas espalhadas por uma infinidade de serviços.

É por isso que o e-mail deve evoluir para algo mais atualizado e simplificado. O estresse constante de alternar entre aplicativos de bate-papo, aplicativos de gerenciamento de projetos, documentos compartilhados e até mesmo sua agenda está cobrando seu preço. O que precisamos é de uma solução que aprimore a maneira como nos comunicamos e colaboramos, em vez de impedi-la, uma solução que reimagine como o e-mail seria se fosse criado hoje.

É claro que precisamos redesenhar o e-mail do zero e simplificar a maneira como as pessoas se comunicam agora – não em 1969. Precisamos repensar nossas comunicações a partir de uma perspectiva do século 21. Precisamos de soluções que sejam tão poderosas quanto simples – mas o ponto principal é que precisamos de e-mail.

Provavelmente é por isso que começamos a ver muitas notícias sobre e-mail. Inúmeros novos produtos associados ao e-mail lançados desde 2020, tão logo a pandemia nos mostrou que precisamos mais que nunca melhorar os serviços de e-mail. E dos criadores do Basecamp, lançado em junho/20 com muita emoção. OnMail, um novo serviço de e-mail dos criadores do aplicativo Edison email, foi anunciado em abril e lançado há algumas semanas. Readdle, os criadores do Spark, continuaram a despejar energia e investimento em seu aplicativo. Com esses investimentos em novos aplicativos e serviços de e-mail, fica claro que o e-mail está se tornando a queridinha do Vale do Silício novamente. Nos últimos dois anos, houve mais inovação em e-mail do que nos últimos 10.

Quando nosso mundo virou de cabeça para baixo em 2020, recuamos para as ferramentas que conhecemos e confiamos. Todo mundo está percebendo o que eu sei há muito tempo – o e-mail finalmente é sexy de novo.

Recommended Posts