webdesign e seu futuro

Qual é o futuro do design de sites: como o design da web mudará?

Só podemos dar um palpite estimado sobre suas vidas (o que na maioria das vezes acaba sendo errado). Por outro lado, o web design é definido por meio das tendências e mudanças futuras no ambiente digital. Embora não haja nada escrito em pedra, um estudo cuidadoso do mercado e seus fatores de influência podem fornecer uma visão prática sobre o que o amanhã pode trazer para a mesa.

Percorremos cuidadosamente os espaços profundos da Internet para trazer a você conteúdo de qualidade na forma de uma máquina do tempo. Aqui estão algumas mudanças evolutivas que se pode esperar que o web design acarrete.

Nos vemos do outro lado!

Integração de AI e Chatbots

IA pode ser o tópico mais controverso de nossa geração. Os sustos em potencial que ela guarda para alguns podem parecer superar os pequenos benefícios que derivamos dela por enquanto. No entanto, até que as máquinas tomem conta do mundo, a IA desempenhará um papel proeminente em ditar os designs da web para amanhã.

A implementação mais comum pode ser encontrada na forma de chatbots. Uma grande quantidade de empresas já emprega esse recurso para manter seus clientes engajados 24 horas por dia, 7 dias por semana. Eles respondem às perguntas frequentes, registram reclamações e, essencialmente, abrem espaço para os recursos de atendimento ao cliente. Espera-se que 47% das empresas introduzam chatbots em sua rede até o final de 2021.

À medida que a tecnologia avança, os chatbots e a IA podem parecer compradores pessoais automatizados para usuários de e-commerce, renovando assim uma nova era no design da web. Um fluxo acoplado de intervenção humana e assistência de IA está definido para se tornar a nova norma.

Visuais 3D imersivos

Embora a RV esteja agindo da maneira mais agressiva das maneiras, sua adoção completa ainda está longe de ser vista. As atualizações cumulativas do sistema necessárias para tornar a RV na web uma realidade são de longo alcance para serem consideradas em um futuro próximo. No entanto, é uma possibilidade muito plausível.

Até então, uma experiência imersiva por meio de gráficos 3D deve ocupar o centro do palco. Estamos falando de um site que deve ocupar toda a tela para mesclar as experiências físicas e digitais.

Como sempre, o objetivo final será atrair o público com recursos visuais cativantes que os incentivem a realizar as ações desejadas.

Integração de Ciência de Dados

O site não é mais o balcão único para a presença da marca. Em um mundo de dispositivos conectados e da Internet das Coisas, todas as partes do sistema são coordenadas continuamente para fornecer o melhor CX para cada usuário.

O design da Web deve se basear no fluxo excessivo de dados, aplicando ferramentas analíticas e adaptando-se aos ambientes em constante mudança. A variação seria muito semelhante à onda de responsividade móvel, com a diferença de ser aplicada a máquinas de rotina, como geladeiras e carros.

O futuro colocaria o cientista de dados e web designers em uma caixa, permitindo que eles se comunicassem e colaborassem de maneira sinérgica.

Realidade aumentada

Após a mudança de paradigma do Place App da IKEA, a visualização remota do produto é um requisito altamente cobiçado pelos clientes de hoje. Na verdade, 61% dos compradores online já preferem um site que tenha alguma versão do AR implementada.

No futuro, os usuários precisarão de hardware e software para oferecer suporte a AR em todas as suas formas. Desde smartphones a dispositivos vestíveis, os designers terão que criar um ambiente interativo que projeta elementos baseados em localização, sobrepondo a estética do mundo real. O reconhecimento de objetos, como o Google Lens e o escaneamento facial nas redes sociais, também terá inúmeras aplicações.

Os sites devem se adaptar em conformidade, assumindo uma postura minimalista que pode ser exibida sem atrapalhar a visão do usuário. Um equilíbrio perfeito entraria em jogo entre o conteúdo e o contraste.

Sites sem página

Não é tão teatral quanto parece. Os sites sem página têm uma variação alternativa do design da web, em que, em vez de ter várias páginas, o site é um único pergaminho sem fim. O conceito imita plataformas de mídia social que são conhecidas por sua interface do usuário envolvente e envolvimento viciante.

Com apenas uma página no lugar, os web designers devem estar em alta velocidade, sites com resposta automática e estruturas narrativas de sites. O fluxo e a fluência dos elementos da web devem ser os pontos mais cruciais para evitar que as taxas de rejeição saiam dos gráficos.

Interface de Voz

Alexa, Siri e Google Assistant têm seus próprios mundos e seguidores agora. Os usuários adotaram um sistema em que um simples comando de voz traz os resultados de que precisam. Isso também evita a necessidade de olhar suas telas para obter qualquer informação.

O design da Web deve adotar essa abordagem conversacional no processo de layout e também no conteúdo. Seria uma reviravolta completa de todos os fundamentos que o conceito representa. Palavras-chave de cauda longa e FAQs devem formar a estratégia de conteúdo central que quebra as caixas tradicionais do web design.

Embora a aplicação completa esteja longe, com certeza virá.

Narração Dinâmica

Em seu país de origem, a Netflix tem uma biblioteca com mais de 1300 programas de TV, 4300 filmes e contando. Há muito conteúdo para ser consumido por cada usuário diariamente. Para manter seu site funcionando, é preciso contar histórias atômicas que envolvam o usuário em todas as frentes.

Seria como desenhar um mapa de experiência que resumisse o sistema para encontrar a lógica por trás de cada clique ou toque. Agências já estão adotando campanhas que se conectam com o público em um nível granular.

O design da Web seria baseado em uma mensagem-chave forte que chega aos compradores ideais por meio dos canais e formas de mensagem adequados.

Conclusão

O mundo da tecnologia é muito acelerado para controlar tudo ao seu redor. Em tais cenários, o futuro dos sites deve ser totalmente orientado para o usuário. Um repensar radical será necessário para implementar as interações em cada ponto de contato para que o usuário sinta o digital como parte de sua realidade.

Tudo resume uma coisa, o futuro está aberto à interpretação e pronto para ser levado hoje.

Recommended Posts